Portugal vira nova rota de cearenses em busca de uma mudança na vida

Só em 2018, já foram emitidos 285 vistos de moradia concedidos a cearenses.

A busca por melhores condições de vida, especialmente pela segurança e o melhor acesso aos serviços de educação e saúde, têm feito cearenses abandonarem o Estado e se mudarem para Portugal. Mas o alto custo nas maiores cidades tem feito muitos imigrantes buscarem viver no interior do país.

Até o momento, só em 2018, foram 285 vistos de moradia concedidos a cearenses que desejam viver em terras lusitanas. Ao longo de 2017, o número foi de 485. Os dados são do Vice-Consulado de Portugal no Ceará. Mas o custo de vida nas principais cidades portuguesas é um desafio para muitos desses imigrantes.

Vivendo em Lisboa há menos de um mês, o jornalista Tiago Fernandes sente na pele os custos, mas para realizar o sonho de mudar de vida ele sabe que é necessário reorganizar o orçamento.

“Lisboa é uma cidade extremamente cara, sobretudo no que diz respeito a alugueis. Para comparar, a gente paga em um quarto o que pagaríamos em um apartamento no Meireles. O custo imobiliário é muito alto. A gente recorre a dividir apartamento com amigos, alugar quartos… Alimentação também não é das mais baratas. Então, é um desafio, financeiramente falando, de reorganização”, disse o jornalista.

A explosão imobiliária de Lisboa estimulada pelo crescimento do turismo fez com que os aluguéis disparassem, por exemplo. Casas de um quarto, como a de Tiago, chegam a custar 1.100 euros, o equivalente a mais de R$ 5 mil. Os contratos são de apenas um ano e preços em alta permanente, além do aluguel ser pago antecipado em até seis meses.

A inflação em alta no país também influi. E a tendência é que cidades do interior de Portugal se tornem cada vez mais opções para quem deseja se mudar.

É o caso da jornalista Beatriz Caetano, que no fim de setembro vai morar em Covilhã, região central do país. Além da escolha pela universidade, o custo de vida fez com que ela fugisse das opções mais buscadas como as cidades de Lisboa e Porto.

“Morar na capital, no caso Lisboa, sairia um custo mensal muito alto. Nós unimos o útil ao agradável: optamos por uma universidade que está entre as dez melhores do mundo e também no interior, que o custo de vida e a possibilidade de empregabilidade são bem mais viáveis. Lisboa nunca foi uma opção pra gente, nem Porto nem Coimbra, essas cidades onde, normalmente, a maioria das pessoas cogitam ir”, disse Beatriz.

De acordo com o presidente da Câmara Brasil Portugal no Ceará, Armando Abreu, muitos cearenses já fazem como Beatriz Caetano e optam por viver em cidades do interior de Portugal.

“Cidades mais do interior, onde têm uma qualidade de vida, digamos até superior do que Lisboa e Porto. Cidades como Coimbra, Viseu, Braga…”, relatou o lusitano. Ainda segundo Armando, a qualidade de vida de Lisboa é mantida no interior do país.

Fonte: Tribuna Bandnews FM em Ceará 6 de setembro de 2018 às 07:00

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *